31 maio 2015

*thursday was one of these days*

Quinta-feira passada tive de ir trajada para a universidade, os doutores queriam verificar se nós sabemos trajar (só me corrigiram a posição da pasta, estava a pegar nela ao contrário, mas de resto...). Eu não me aguentava! Estava imenso calor e eu soava por todos os lados. Mas, antes de vir para casa ainda tinha de ir a casa da minha avó porque ela queria ver-me trajada. Cheguei lá e ela mal me viu ficou toda contente, agarrou-se logo a mim a chorar e a dizer " Ai a minha rica menina (...) que ela está tão crescida! ". Ver as pessoas reagir assim é de uma alegria inexplicável. E a minha avó é tão fofinha! Não sei o que seria de mim sem ela também....


*a esta hora estou a chegar ou na viagem de regresso a casa do passeio do coro, já sei que me diverti! Este post é agendado*

30 maio 2015

Esqueçam lá a pausa, eu não consigo...


...não esta semana.
Eu ando exausta, não me lembro de estar assim, nem quando tive de tomar vitaminas na altura de exames do décimo segundo. Tenho estudado imenso, e às vezes não vejo recompensa para esse estudo. 
Ando revoltada porque gente que não estuda nem metade do que eu estudo tem dezasseis e uma na minha turma até teve 19 num teste que eu a vi copiar à grande e à francesa. A Blaire também não tem estudado nada e teve 16 nesse mesmo teste, em que eu também a vi copiar. Gostava de ter a coragem desta gente, mas quero acabar o curso a saber que foi tudo saído da minha cabeça. E as que copiam, não terão sorte no estágio. 
Como já disse, não virei cá durante a semana, mas vou deixar posts agendados. Tenho apontado coisas num caderno, que se tem passado nas últimas semanas, poderei usá-las por cá afinal foi para isso que apontei. Mas segunda "vai ao ar" o Blogger Summer Challenge proposto pelo Jota e pela Olívia, e é este que irá ocupar a semana da minha parcial ausência. 
Também vão participar?

29 maio 2015

Ausência


O blog tem estado em pausa e eu tenho andado ausente, e vai continuar a ser assim por mais uma semana. Ontem fiz o teste da pior cadeira para mim, segunda já devo ter a nota e se tiver 12 ou mais naquela pauta acho que já me posso considerar de férias (a não ser que o teste que tenho na terça seja mesmo muito mau, porque reúne a matéria toda da disciplina, mas eu até percebo bem).
Espero que esteja tudo bem convosco!
Até daqui a uma semana*

21 maio 2015

Faz-me ter esperança!


A Caroline, é uma segunda do coro, portanto convivo com ela todos os sábados, é minha amiga, toda a gente do coro o é, aliás... ela é daquelas pessoas do coro que é como uma irmã, uma irmã mais nova. Ela canta bem, e quando não aparece a uma missa ou ensaio já sabe que vai ouvir na semana seguinte (sim porque eu sou uma parva que não tem o número dela)! Porque eu preciso de ouvir a voz dela para não me perder (sim porque eu estou no coro há dois anos mas ainda me perco de vez em quando) e quanto mais não seja do seu apoio moral, sim porque ela tem uma panca qualquer que de vez em quando apetece-lhe ficar calada e não cantar e simplesmente não canta naquele dia. Mas eu entendo-a. 
A Caroline, é daquelas miúdas de 14 anos que ainda me faz ter esperança nesta juventude de hoje em dia! É super menina do seu canto, mas quando ganha confiança é uma moca, faz-me lembrar eu própria...
É uma louquinha, mas tem respeito pelos outros. E é por isso que eu gosto tanto dela. 

19 maio 2015

Eu tinha de me manifestar sobre isto.


Já se passaram uns diazinhos, e a poeira já está mais ou menos "assentada", então... Posso finalmente dar a minha opinião sobre o caso do miúdo que foi agredido por colegas e a famosa Constança.
Então antes de mais nada quero dizer que revoltada eu fiquei e fico sempre. Mas chocada... Não! Isto é mais um de muitos casos que acontecem em montes de sítios e ninguém faz nada, não têm a "sorte" de se tornarem virais e irem parar aos jornais nacionais e afins. Muitos não são conhecidos nem pelas pessoas da aldeia da vítima porque as pessoas se calam e estão mais preocupadas com o que está nos meios de comunicação social.
Sei que pareço uma insensível mas é que cada vez mais fico exposta a este tipo de coisas, mesmo estando apenas no primeiro ano de curso.
E vejo imensa gente revoltada com isto quando já é o pão nosso de cada dia... Muitas vezes até perto de quem comentou, e aposto que as pessoas que comentaram isso quando viram alguém estar perto de ser agredido ou até ser agredido não fizeram nada, por não se quererem meter ou porque acharam que era uma simples brincadeira....
Criticam os miúdos, que eu não digo que não têm razões para o fazerem, mas não fazem nada quando o mesmo acontece perto deles. Não fazem queixa, não se manifestam sequer e querem milagres neste caso que só por causa do facebook e afins ficou famoso?
Aposto que há muito mais história por trás, e acreditem meus caros, não vão ser os jornais nacionais a revelar isso, estão longe de terem meios suficientes para tal!
Acho que é isto, tinha de me manifestar ... E mesmo assim tenho a certeza que daqui a nada me vou lembrar de mais alguma coisa que me esqueci de acrescentar.

18 maio 2015

Mensagens que guardo | ▪2


Desta vez tenho uma "mensagem" de um livro, o Não Abras os Olhos. E devia fazer uma pessoa pensar.

... a única forma de alguém poder julgar o apego a alguma coisa era pelo nível de dor que causava a sua perda.

15 maio 2015

Fica para a vida


Finalmente, vou falar-vos do cortejo. O momento em que deixamos de ser caloiros. Não vou descrever tudo porque se o fizesse teria de ser um post muito detalhado e longo, vou apenas falar do essencial e do que me marcou mais. 
Basicamente nós percorremos muitas ruas do Porto. Cheguei lá às cinco e saí à meia noite e meia, quase uma. O caminho foi muito animado, íamos a ouvir as músicas que o camião fazia questão de se fazer ouvir bem alto. Uma vez,  eu e umas raparigas fizemos uma roda e estávamos a dançar (o tradicional pé para a esquerda, pé para a direita e assim sucessivamente) e uma doutora finalista juntou-se a nós, depois parou e começou a cantar o "Mais e mais amor", nós seguimos claro e depois toda a gente que lá estava cantou também, quando olhamos para a tal finalista ela estava a cantar com uma força enorme e a chorar, arrepiei-me todinha!
Muito tempo depois desta cena linda, chegamos à torre dos clérigos, sentamo-nos e um finalista começou a falar:
"É agora caloirada! É a minha última descida - faz grande pausa - , vamos com tudo carago! Como manada que somos!"
E fomos... A emoção que senti a descer os clérigos foi inexplicável e inesquecível. Os clérigos já me são muito porque me lembro sempre do meu padrinho e descer aquilo como caloira pela última vez, sabendo que dei tudo e que senti tudo ao máximo... Não há palavras mesmo!
Pouco depois já estávamos na tribuna, pusemo-nos todos de joelhos e passamos por baixo das bengalas de todos os finalistas. Sei que a minha casa foi das poucas a fazer isto mas ainda bem que o fomos porque esse momento foi mais um inesquecível, os doutores gritavam por nós, diziam para continuar-mos, que éramos um orgulho e o último de todos disse "Bem vindas senhoras pastranas!", não me acreditei e ainda não quero acreditar! Mas sei que vou fazer de tudo para passar aos próximos caloiros o que me passaram a mim.
O tempo que passamos a caminhar e a cantar faziam daquilo um dia super cansativo, supostamente, cheguei ao fim com os joelhos todos pisados, mas não me queixei de nada e na verdade, não senti cansaço nenhum porque... quem corre por gosto não cansa!
Há um trecho de uma música que nós adoramos que resume o cortejo e toda a queima: 《Foi bom, enquanto durou, mas hoje acabou, tudo passou》. E foi isto.

Foi cortejo, foi inesquecível! 

13 maio 2015

Obrigada.


200 seguidores, mais de 23000 visualizações, 3971 comentários e 250 mensagens. Números que não importam, mas que importam.
Obrigada a vocês que estiveram sempre desse lado, que entenderam este novo começo e nunca me deixaram. Que passaram por todas as fases da lua, e aturaram todos os meus devaneios e dilemas.
Um ano de blog!
Parabéns a nós! ☆☆♡♡


E como hoje é este dia especial queria pedir-vos que escrevessem uma mensagem, dos vossos desejos para o blog, do porquê que vos marca, agradecimentos, qualquer coisa. O que quiserem, mas escrevam sim? **

12 maio 2015

Mensagens que guardo | ▪1


Já ando a pensar nisto há um tempito. Não será uma rubrica porque eu publicarei algo com este título com muita ou nenhuma frequência, das duas três. Serão mensagens de telemóvel mesmo, conversas que tenho cara-a-cara, excertos de livros que me tocam. Coisas boas ou más mas que eu guardo na memória.
Começo com uma conversa que tive hoje por sms e que concerteza vou guardar na memória porque as pessoas devem pensar que eu sou burra, mas mais tarde eu recordo-as de certas coisas.
Ontem à noite
Blaire: Linda? Amanhã assinas por favor por mim? (diz o porquê de ir faltar)
Eu: Se eu for... E se for só vou à primeira parte mesmo que ela não passe a folha. Mas sim se der eu assino.
Hoje
Blaire: Olá. Sempre vais à aula hoje?
Eu: Oi! Não, não vou...
Blaire: Porque?
Eu: Porque tenho de estudar. Já estudei muita coisa mas se fosse à aula só chegava a casa às cinco e tal e não me rendia nada. Assim posso rever melhor as coisas.
Blaire: Fazes bem mas se não pergunta se não dizias nada e eu que me lixasse para assinar (escrito assim, não altero nada)
Eu: Nunca mais me lembrei. Estou a estudar não estou a pensar no telemóvel. Eu ontem disse que não tinha a certeza, já para contares.
Blaire: Sim mas quando me pedem algo tenho a responsabilidade de avisar a pessoa mas pronto estuda porque eu já me desenrasquei. 
Eu: Eu avisei-te ontem. Eu não tenho responsabilidade nenhuma porque eu disse que não sabia se ia assinar. Eu nem para mim ando a exaltar-me com o assinar vou exaltar-me por ti?
Blaire: Lol Nea se me pedisses a mim e não soubesse se ia quando tivesse a certeza avisava mas não somos todos iguais para a próxima já sei no que posso contar.
Não respondi mais.

Eu vou contextualizar-vos... Eu sei que pareço uma estúpida no meio desta conversa mas depois de todos os acontecimentos que tenho contado por aqui e muito mais, eu não fico calada. Ela pensa que diz o que quer e que uma pessoa fica calada. Mas longe vai o tempo em que eu era rebaixada por gente como ela. Ando farta destas coisas. Fez domingo uma semana que foi a imposição das insígnias, nós estivemos lá a tarde toda, a meio a Blaire pediu ao namorado para ir buscar lanche para ela e para a Taylor e casou completamente em mim e na Japa. Este domingo, às dez da noite ela mandou sms à Japa a dizer para ela juntar a parte dela ao trabalho de inglês porque era para enviar à prof no dia seguinte. A rapariga não percebe nada de inglês, e a Blaire teve mesmo uma atitude de desenrasca-te, se eu não ajudava nem sei... Porque elas tinham dito que nós nos íamos reunir para acabar o trabalho e fizeram isto. Não tem jeito nenhum nem é justo. Nesta última mensagem dela ela merecia que eu argumenta-se com estas duas situações mas ignorar é o melhor remédio. 

Desculpem meus aluados (é este o nome que está na barra de seguidores por isso porque não tratar-vos mesmo assim?) sei que não tenho vindo cá nem aos vossos cantinhos. Mas como sabem a semana passada foi a queima e eu quis aproveitar ao máximo. Tenho tanto para vos contar! Mas por enquanto tenho muitas avaliações pela frente e não tenho tempo para cá vir, ou então o cansaço é tanto que não dá mesmo. Assim que tudo isto acabar, as coisas por cá voltam ao normal *



*eu sei que já disse isto mas... sinto que muitas (os) de vocês não sabem porque vocês comentavam imenso o blog mesmo quando não havia post e agora nem quando há posts...não estou a dizer que vivo dos comentários mas sinto que não chego a vocês e talvez seja por ainda não saberem... Eu mudei de link gente!! Se querem receber as actualizações no vosso feed sigam de novo! *

04 maio 2015

Traçar de Capa


Eu, e de certeza que muitos de vocês que ainda não passaram pela experiência, não tinha uma completa noção do que seria o traçar de capa. Eu sabia que um/a doutor/a me iria traçar a capa, dobrá-la pelos ombros como eles andam e íamos assistir à serenata; eu sabia que ia ser emocionante, pela emoção de usar o traje pela primeira vez. Mas não sabia que existia muito mais para além disso... Há uma ligação instantânea entre nós e quem nos traça a capa, há todo um ritual que nos faz arrepiar a espinha. Eu vou explicar, antes de te dobrar a capa sobre os ombros a pessoa que te está a traçar a capa vai puxar-te para si, vai encostar-se ao teu ouvido e vai dizer-te coisas que te mostram que é o finalizar de uma etapa, que tens de honrar a tua casa no dia do cortejo, que tens de honrar o traje que tens vestido, que tens de colocar toda a tua alma em tudo, mas não podes nunca deixar de ser fiel a ti mesmo e aos teus princípios, aquilo que gostas num doutor ou numa doutora é o que tens de tentar ser. Isto, entre outras coisas que são ditas em segredo por alguma razão, foi-me dito por uma doutora que foi traçar-me a capa completamente ao acaso porque eu não tenho padrinho nem madrinha então um veterano da comissão de praxe disse a mim e às outras (Japa, Blaire e Taylor) para ficarmos com aquela rapariga porque seria ela a traçar-nos a capa. Hoje olho para aquela noite e penso que, eu acho que não nos podia ter calhado melhor pessoa. Ela era super fofinha, super simpática, notava-se que ela sentia aquilo que dizia, que honrava o seu traje, pronto, esteve muito bem! 
A Rachel tinha-me pedido para lhe dar boleia até casa depois da serenata, eu aproveitava e pedia-lhe para me traçar a capa, porque ela é uma pseudo madrinha, é ela que me esclarece tudo no que toca à praxe, mostrou-se sempre disponível para tudo o que precisasse, está sempre preocupada comigo. Ela é minha amiga, para quem não sabe, já do coro, foi ela que organizou o Virar a Página, concerto em que nos conhecemos melhor e foi onde começou mesmo a nossa amizade (assim como a da Sophie, Phoebe e Toby). Portanto quando ela veio ter comigo no final da serenata eu pedi-lhe para me traçar a capa, e ela traçou. Foi diferente, eu já conhecia a Rachel, ela é minha amiga portanto tinha aquele simbolismo, os votos (não é assim que se chama de certeza mas para já fica assim) tinham toda uma história por trás claro, falou da nossa amizade, de tudo... Ela antes de todo o processo estendeu a capa dela no chão, e ajoelhamo-nos as duas sobre ela durante o traçar, deu todo um outro simbolismo só por aí. Eu, se não for contra as tradições da minha casa, quando traçar a capa a alguém é assim que quero fazer porque dá todo um outro ser sei lá. 
Concluindo, foi muito emotivo, eu adorei. Não chorei, porque a ficha ainda não me caiu... Mas cada vez que penso nisso, a vontade de chorar é maior porque é uma etapa que está a acabar e ter pessoas a dizer-me isso ao ouvido em jeito de "abre olhos" é mesmo de arrepiar a espinha. E eu não sei se estou preparada para chegar ao final do cortejo de amanhã e ouvir um "Bem-vinda senhora doutora" porque eu sinto que ainda tinha tanto para viver como caloira. Pronto gente, quem ainda não passou por isto, preparem-se, seja para o ano seja quando for... E por mais que se preparem, nenhuma preparação será suficiente, isso vos garanto!
É uma sensação de orgulho muito grande, uma pessoa vê isso na maneira como os mais queridos olham para nós, e acima de tudo sente, cá dentro uma emoção tão grande que não cabe em si de felicidade. Ah! Eu não quero que isto acabe!

01 maio 2015

Uma coisinha de cada vez.


Ontem tive o julgamento, pensei que fosse muito pior! O que custou mais foi a espera, e nem fui das que esperou mais. Chegamos lá só apontaram as presenças que faltavam no caderno de caloiro, mandaram-me dar três beijos na cabeça de um porco que lá tinha e vim embora. Falei à minha mãe da queima e metros e afins e é como ela diz... vamos indo e vamos vendo. 
Sei que vou fazer de tudo para não ficar muito à beira da Blaire, vou ficar à beira da Rachel e da Japa sempre. As outras que se lixem que eu não estou para as aturar.
Amanhã, amanhã é um dos grandes dias. Não estou preparada.