02 novembro 2016

Ainda só estou no título e já sinto que vai sair testamento...


 Não digo que aqui se reflita, mas no meu pensamento corre todo um testamento, sobre a minha amizade com a Japa. A minha querida Japa... Tenho um carinho enorme por esta rapariga, nem sei explicar como começou mesmo esta amizade tão grande, foi do nada. 
 Obviamente conhecemo-nos na universidade, no nosso primeiro ano de licenciatura na ufp, e mais de 2 anos depois aqui estamos nós, senhoras doutoras finalistas.
 A amizade com as outras crazy partners in crime da turma foi um bocado conturbada no segundo ano, andámos mais afastaditas. Este ano já andamos todas bem outra vez e até já andamos a combinar saídas para tempos próximos. Bem, tudo isto para dizer que mesmo havendo um tempo em que andamos mais afastadas das outras duas, nós permanecemos juntas, nas nossas loucuras, nos estudos e trabalhos. Sabem aquelas amizades de escola, universidade? Então a nossa é assim, mas daquelas que mesmo não nos vendo muito no verão, quando voltámos às aulas, voltam também os seus costumes.
 A Japa, é mesmo daquelas miúdas queridas, com maturidade que uma universitária deve ter em vários pontos, com os pés no chão, mas também "mete o loco" como dizem os brasileiros e dá-mos umas belas gargalhas do nada com as loucuras que nos saem da boca. A Japa é sambista, estão a ver a essência brasileira, em todos os aspectos? Ela têm-na! 
 Digo, sem pensar duas vezes que a Japa foi o melhor que a universidade me trouxe, e se há coisa que vou ter saudades depois desta jornada de 3 anos, ela é com toda a certeza uma delas. É que por mais que custe nestas coisas, elas chegam ao fim e mesmo que uma pessoa não queira, seguimos caminhos diferentes. De certa forma, temos opções um pouco diferentes para o mestrado e pronto, este é o último semestre de aulas loucas, trabalhos e almoços partilhados.
 Ela é daquelas que se repara que estás mais em baixo te dá abraços do nada, mas também é daquelas que explode e passa a odiar um rapaz se ele te parte o coração. É das melhores pessoas que tenho. É a prova viva que certas amizades da universidade são mesmo para a vida. E a ela, eu levo no meu coração até ao fim mesmo.

2 comentários:

  1. Já fiquei de lágrimas nos olhos, porque a minha jornada também está a chegar ao fim e há pessoas que significam imenso e que me vão deixar imensas saudades!

    ResponderEliminar

Não me diga que o céu é o limite, quando há pegadas na Lua.

Devaneia para a frente*
Os comentários serão respondidos no teu blog, se demorar muito... a culpa é da falta de tempo e/ou da preguiça!